Faturação eletrónica

Como faturar eletronicamente na República Dominicana

republica dominica factura eletronica

Após a conclusão bem-sucedida do processo piloto de faturação eletrónica, a Dirección General de Impuestos Internos (DGII) da República Dominicana publicou a Norma Geral 01-2020, que estabelece como faturar eletronicamente no país.

O processo de faturação eletrónica da República Dominicana começou em fevereiro de 2019 com uma fase piloto em que participaram 10 grandes empresas. Entre as empresas participantes encontrava-se a Philip Morris, que emitiu a primeira fatura eletrónica do país por meio da plataforma EDICOM Global e-Invoicing.
Concluído o projeto piloto, o sistema de faturação eletrónico é voluntário para os contribuintes que cumpram os requisitos estabelecidos na norma ditada pela Dirección General de Impuestos Internos (DGII) para que possam começar a emitir os comprovativos fiscais eletrónicos (e-CF) desde janeiro deste ano.

O que é necessário para faturar eletronicamente na República Dominicana?

Para poder faturar eletronicamente na República Dominicana, os contribuintes devem ser previamente autorizados pela DGII. Os contribuintes devem enviar os comprovativos fiscais à DGII para a sua contabilização e para efeitos de controlo fiscal. Para verificar se os e-CFs foram recebidos corretamente pela DGII, os contribuintes devem aceder ao website da DGII e verificar o estado, se foi aceite ou rejeitado.
Informações básicas para faturar eletronicamente na República Dominicana

 

O que são os comprovativos fiscais eletrónicos e-CF?

Comprovativo Fiscal Eletrónico é o nome atribuído à fatura eletrónica na República Dominicana. Entende-se por e-CF o documento eletrónico assinado digitalmente que reconhece a transferência de mercadorias, a entrega ou a prestação de serviços.

Além dos e-CFs, a lei também contempla a emissão de outros comprovativos eletrónicos, como:

  • Fatura eletrónica de crédito fiscal (tipo 31)
  • Fatura de consumo eletrónica (tipo 32)
  • Nota de débito eletrónica (tipo 33)
  • Nota de crédito eletrónica (tipo 34)
  • Compras eletrónicas (tipo 41)
  • Despesas eletrónicas menores (tipo 43)
  • Regimes eletrónicos especiais (tipo 44)
  • Governamental eletrónico (tipo 45)
  • Exportação eletrónica (tipo 46)
  • Pagamentos eletrónicos no exterior (tipo 47)

Para sejam diferenciados das faturas em papel atuais, os e-CFs são identificados por uma sequência numérica que começa com a letra E seguida pelo tipo de e-CF. O formato padrão escolhido pela DGII foi o XML.

 

Quem pode emitir os comprovativos fiscais eletrónicos?

Qualquer contribuinte autorizado pela DGII a emitir comprovativos fiscais eletrónicos (e-CF).
Requisitos para se tornar um emissor de comprovativos eletrónicos:

  • Estar inscrito no Registo Nacional de Contribuintes (RNC).
  • Manter os pagamentos das obrigações tributárias e deveres formais em dia.
  • Possuir autorização para emitir comprovativos fiscais.
  • Obter um certificado digital para processos tributários, emitido por um fornecedor de serviços de confiança (entidade de certificação) que corresponde à pessoa que atua em nome do contribuinte.
  • Possuir um software para a emissão de comprovativos fiscais eletrónicos (e-CF), que pode ser desenvolvido pela sua empresa ou adquirido junto de um fornecedor de software de faturação eletrónica certificado pela DGII.

 

Obrigações dos emissores eletrónicos

  • Inserir o Certificado Digital vigente em todos os e-CFs emitidos.
  • Imprimir a representação gráfica do e-CF quando solicitado por um recetor não eletrónico.
  • Receber todos os e-CFs dos seus fornecedores emitidos e validados.
  • Apresentar à DGII todas as informações digitais ou físicas necessárias, de acordo com as disposições do Código Tributário.
  • Armazenar os e-CFs de acordo com as disposições do Código Tributário que estabelece um período mínimo de 10 anos.

 

Quem pode receber comprovativos fiscais eletrónicos?

Os contribuintes autorizados a emitir o e-CF, ou seja, qualquer recetor é, por sua vez, um emissor eletrónico.

A solução global de faturação eletrónica da EDICOM cumpre os requisitos técnicos da autoridade tributária da República Dominicana para a emissão e receção de comprovativos eletrónicos. A plataforma de faturação permite a geração dos e-CFs assinados digitalmente e em formato XML para enviar quer para a DGII quer para os destinatários dos comprovativos, de forma integrada no sistema de gestão. O processo é realizado de forma imediata, automática e transparente para o utilizador.

Com a implementação do sistema de fatura eletrónica, o governo dominicano procura obter um melhor controlo tributário e facilitar o cumprimento das obrigações tributárias dos contribuintes. Desse modo, o governo decidiu seguir os passos de outros países da América Latina, como a Argentina, o Brasil, o Chile e o México, que colheram grandes benefícios após o seu lançamento.
 

Saiba mais sobre os potenciais benefícios para a sua empresa.

Contacte um representante da EDICOM.

Pode também estar interessado em ler sobre...

Que países trocam faturas eletrónicas através do Peppol

Descubra que países beneficiam das vantagens oferecidas pela infraestrutura PEPPOL para a troca de faturas eletrónicas.

Como é a fatura eletrónica no Paraguai

Conheça o funcionamento do Sistema Integrado de Faturação Eletrónica Nacional SIFEN do Paraguai.

A implementação do GOVEIN19 está a revelar-se um êxito em toda a Europa

A EDICOM implementa com êxito o projeto GOVEIN19 para o desenvolvimento da faturação eletrónica em hospitais europeus.