Faturação eletrónica

França prepara-se para a fatura eletrónica obrigatória entre empresas

França fatura eletronica b2b

França já encetou os passos necessários para tornar obrigatória a faturação eletrónica entre empresas.

O governo francês, através da Lei n.º 2019-1479 das Finanças para 2020 publicada no passado dia 28 de dezembro, anunciou a sua intenção de tornar a fatura eletrónica entre empresas obrigatória, após obter a autorização por parte da União Europeia. O início da implementação do projeto está previsto para 1 de janeiro de 2023 ou, o mais tardar, 1 de janeiro de 2025. Existe uma margem de 2 anos para o seu começo.

O artigo 153 da Lei de Finanças determina que o processo de faturação eletrónica entre privados se realizará gradualmente, seguindo um cronograma de adesão consoante o tamanho e o setor de atividade das empresas.

França, enquanto estado-membro da União Europeia, está subordinada às leis europeias em matéria de faturação eletrónica. A fatura eletrónica no setor privado está regulada pela Diretiva 2010/45/UE relativa ao Sistema comum do imposto sobre o valor acrescentado.  A normativa especifica, por um lado, que os governos dos estados-membros não podem obrigar as empresas a faturar de forma eletrónica e, por outro, que a utilização da e-fatura está submetida à aceitação do destinatário. Como tal, para poder impor a desmaterialização de faturas entre privados, França requer a aprovação de uma exceção por parte do Parlamento Europeu.

Para conseguir essa exceção, França deve cumprir os requisitos contemplados no artigo 395 sobre Medidas de simplificação e prevenção relativas a fraude ou evasão fiscal da Diretiva 2006/112 /CE. Segundo esse artigo, o governo francês deve demonstrar que a obrigação de faturar de forma eletrónica das empresas poderá simplificar a cobrança de impostos e reduzir a evasão fiscal.
Para mostrar que a obrigação cumprirá os objetivos mencionados, promulga-se a Lei de Finanças. Através deste instrumento legal determina-se, por um lado, a intenção de tornar obrigatória a fatura eletrónica no setor B2B, com o objetivo de modernizar a cobrança e o controlo sobre o Valor Acrescentado. Por outro lado, a preparação de um relatório com as condições de implementação que será entregue ao Parlamento Francês, até, no máximo, o próximo dia 1 de setembro.

A autoridade fiscal francesa Direction générale des Finances publiques (DGFiP) é responsável por coordenar a realização do relatório. Os objetivos do estudo são identificar e avaliar as soluções técnicas, legais e operativas mais adequadas, particularmente em termos de transmissão de dados para a administração tributária, tendo em conta as limitações operativas das partes envolvidas.

Além disso, o relatório avaliará, para cada uma das opções examinadas, os ganhos expectáveis na recuperação do imposto do IVA e os benefícios esperados para as empresas.

A DGFiP delegou a execução do relatório a uma consultora independente. O estudo está a ser elaborado tendo em conta todas as partes envolvidas (empresas, profissionais do setor contabilístico e partes interessadas da administração). Além disso, a agência tributária francesa conta com o apoio de especialistas internacionais para identificar as necessidades, limitações e expectativas de cada parte.

Chorus Pro: sistema centralizado de faturas B2B2G

Aproveitando o êxito da implantação do uso da e-fatura junto das administrações públicas através da plataforma Chorus Pro, o governo gaulês está a avaliar replicar o modelo e alargá-lo ao setor privado.
Para tal, a DGFiP, juntamente com a agência estatal Agence pour l’Informatique Financière de l’Etat (L’AIFE), está a avaliar a possibilidade de utilizar o Chrorus Pro para a declaração de faturas intercambiadas pelas empresas. Ou seja, a conversão do Chrous Pro num ponto central de faturas B2B2G .
Para analisar a viabilidade do projeto, está-se a realizar, desde janeiro, um plano de testes com 50 .  Durante esta experiência, são analisadas as dificuldades e são propostas melhorias entre os participantes. Os resultados do projeto experimental contribuirão para a elaboração que será entregue ao Parlamento Francês em setembro.
Caso a Europa dê luz verde ao projeto, apenas restará a publicação por parte do governo francês do regulamento técnico que, graças ao relatório, já terá sido elaborado. Entre as vantagens destacam-se:

  • A possibilidade de suprimir a atual declaração do IVA, dado que as faturas eletrónicas já contêm a informação necessária para o seu controlo. Isso reduzirá os gastos de tempo e gestão quer por parte do governo como das empresas.
  • A redução dos custos derivados da gestão em papel. Estima-se que o número de faturas em papel emitidas em França se situe entre dois e três mil milhões.

Seguir os passos de Itália
Itália é, para já, o primeiro e único país a obter a exceção especial aos artigos 281 e 232 da Diretiva 2006/112/CE. por parte da União Europeia para poder tornar obrigatória a fatura eletrónica entre empresas privadas e entre empresas e particulares.
Desde 2018, todas as empresas italianas devem usar faturas eletrónicas. À semelhança do que sucede com a fatura PA (fatura eletrónica para administrações públicas), o intercâmbio de faturas no âmbito privado realiza-se através do Sistema di Interscambio (SdI), a plataforma que aglutina o envio de faturas B2B e B2G, e que inspirou o modelo que França pretende implementar através do Chrorus Pro.

Após dois anos de implementação em Itália os resultados obtidos foram muito positivos. Segundo o último relatório publicado pelas Finanças italianas, L’Agenzia delle Entrate, conseguiu-se aumentar em 3,6% a cobrança do IVA, o que supõe um grande salto, tendo em conta que o crescimento do mercado italiano é muito tímido, rondando percentagens inferiores a 0,1%. Além disso, melhorou-se a simplificação dos processos e a redução do TAX GAP, entre outros benefícios.
A autorização do Conselho Europeu a Itália e os bons resultados obtidos criaram um precedente que facilita o caminho para os restantes membros da União que o solicitem, como é o caso de França.

Solução da edicom para a faturação eletrónica em França

Integrado no seu sistema de gestão, a solução Chorus Pro, da EDICOM, facilita a geração e o envio das faturas através do portal Chorus sob os requisitos exigidos pela L’AIFE, de forma automática e totalmente transparente para o utilizador. A plataforma da EDICOM também permite a validação prévia das faturas antes do seu envio, permitindo saber constantemente o estado da mensagem, graças à integração dos avisos no ERP da sua empresa.

Além disso, a EDICOM renovou com GS1 a homologação do módulo Fdematfr, para continuar a oferecer aos seus clientes o melhor serviço, seguindo os mais rigorosos padrões de qualidade.

A plataforma de faturação eletrónica da EDICOM está permanentemente adaptada aos últimos requisitos técnicos e legislativos, não só de França como de qualquer país onde opere. Uma solução escalável e global para as empresas mais exigentes.
 

Saiba mais sobre os potenciais benefícios para a sua empresa.

Contacte um representante da EDICOM.

Pode também estar interessado em ler sobre...

Que países trocam faturas eletrónicas através do Peppol

Descubra que países beneficiam das vantagens oferecidas pela infraestrutura PEPPOL para a troca de faturas eletrónicas.

Como é a fatura eletrónica no Paraguai

Conheça o funcionamento do Sistema Integrado de Faturação Eletrónica Nacional SIFEN do Paraguai.

A implementação do GOVEIN19 está a revelar-se um êxito em toda a Europa

A EDICOM implementa com êxito o projeto GOVEIN19 para o desenvolvimento da faturação eletrónica em hospitais europeus.